Webnode

 

CELEBRAÇÃO PARA DIÁCONOS E MINISTROS LEIGOS

TRÍDUO PASCAL

Diácono Sérgio Ferreira de Almeida

 

QUINTA - FEIRA DA CEIA DO SENHOR

 

CHEGADA

 

Enquanto as pessoas vão chegando, o(a) animador(a) do canto ensaia as músicas, sobretudo a parte da assembléia, e o faz de tal maneira que já vai criando um clima de oração.

O coordenador vestido com a veste litúrgica, acolhe as pessoas na porta da capela.

Onde for possível, arrumar as cadeiras em dois semi-círculos deixando um corredor no meio onde serão  colocados,  o ambão  no início do corredor e uma mesa (altar) no outro lado criando um ambiente bem aconchegante.

Momentos antes da celebração, a assembléia pode ser convidada a se preparar reunindo o coração pelo silêncio ou através de um refrão meditativo, por exemplo:

         “Onde reina o amor,/ fraterno amor,

          onde reina o amor,/ Deus aí está”.

 

O refrão termina bem baixinho, o silêncio se prolonga.

 

Intenções– se for costume (um leitor anuncia as intenções pedidas completando: e por todas as intenções que cada um traz no seu coração.)

 

Preparação do ambiente

- Acendimento das velas do altar

(convidar uma família da assembléia para acender as velas do altar.)

 

Refrão: Ó luz do Senhor que vem sobre a terra,/

     clareia o universo com teu esplendor.

 

Comentário Inicial

 

Com - Iniciando o nosso tríduo pascal somos convidados a contemplar os últimos gestos de Jesus com os seus apóstolos e que são marcas profundas da nossa fé.

Ao lavar os pés de seus discípulos, Jesus nos convida a fazer de nossa vida um constante ato de entrega e serviço aos irmãos.

Ao instituir a eucaristia Jesus se faz alimento da nossa caminhada realizando com a humanidade a nova e eterna aliança.

 

Canto de abertura

 

Acolhida

C - Sejam todos bem vindos, irmãos e irmãs para esta celebração que dá início ao nosso tríduo festivo da páscoa de Jesus. Convocados pela trindade santa, nós a saudamos dizendo: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Queremos também nos saudar uns aos outros desejando uma feliz celebração da páscoa.

 

- todos se saúdam desejando-se mutuamente: “Feliz celebração da páscoa.”

 

RECORDAÇÃO DA VIDA

- Como nos preparamos para esta páscoa?

- o que nos trouxe aqui? Viemos agradecer ou pedir?

- o que trazemos nesta celebração da vida.

 

Silêncio

 

Acendimento das luzes da festa

A comunidade, no início da celebração do tríduo pascal, faz a memória dos vários grupos com os quais quer estar em comunhão. Ao lembrar cada grupo, alguém acende uma vela e a coloca em lugar de destaque, rezando:

 

1ª vela – Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e pela luz que tu acendes em todos os que lutam pela paz e justiça.

T – Bendito, bendito seja Deus

     Que nos reuniu no amor de Cristo

 

2ª vela - Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e pela luz que tu fazes resplandecer em todas a Igrejas cristãs.

T – Bendito, bendito seja Deus

     Que nos reuniu no amor de Cristo

 

3ª vela - Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e pelo clarão que arde em todas as religiões e em todos os que buscam o teu rosto.

T – Bendito, bendito seja Deus

     Que nos reuniu no amor de Cristo

 

4ª vela - Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e pela luz que brilha na luta e esperança de todos os pobres da terra.

T – Bendito, bendito seja Deus   

      Que nos reuniu no amor de Cristo

5ª vela - Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e pela luz que tu fizestes brilhar entre nós nesta campanha de fraternidade.

T – Bendito, bendito seja Deus

     Que nos reuniu no amor de Cristo

 

6ª vela - Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e por toda luz que ilumina a nossa comunidade.

T – Bendito, bendito seja Deus

     Que nos reuniu no amor de Cristo

 

7ª vela - Bendito sejas, Deus da vida, por esta luz e pela luz que tu fazes resplandecer em todos os amigos e amigas da nossa comunidade.

T – Bendito, bendito seja Deus

     Que nos reuniu no amor de Cristo

 

C - Impulsionados pelo Espírito Santo glorifiquemos ao Pai e ao Cordeiro, cantando (rezando): GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS...

 

Oração do Dia

 

C - Ó Deus de terna compaixão, estamos reunidos para a santa ceia que Jesus nos deixou como sinal do seu amor fiel. Dá-nos, pelo mistério de sua entrega por nós, chegarmos a uma atitude permanente de solidariedade e doação no serviço do teu reino. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Escuta

 

1ª Leitura: Êxodo 12,1-8.11-14

- Salmo 115 (116)

 

2ª Leitura: 1 Cor 11,23-26)

 

Evangelho: Jo 13,1-15

 

Reflexão

 

Lava-Pés:

       

- Após a homilia o comentarista introduz o lava-pés com o comentário abaixo:

 

Com - O gesto de Jesus ao lavar os pés dos discípulos e que será agora repetido pelo Ministro da Palavra, é sinal de doação ao próximo: Eu, sendo vosso mestre e Senhor vos lavei os pés para que façais o mesmo.

 

- O Coordenador(a) cinge-se com uma toalha e, tomando água e bacia, lava os pés de um grupo da comunidade, para lembrar o que fez Jesus na última ceia, num ato de amor e serviço. Enquanto se realiza o rito do lava-pés, pode-se cantar um canto apropriado.

 

Não se diz o Creio

 

Preces dos fiéis

 

C – Irmãos e irmãs, é preciso rezar em todo tempo, mas sobretudo nestes dias em que viveremos mais intensamente a paixão de N.S.J.C. devemos elevar nossa oração a Deus em fervorosa vigília com o Cristo. Por isso, cantemos:

- Ó Senhor, Ó Senhor nesta noite, Escutai nossa prece!

 

1. Para que toda a Igreja, como um só rebanho, alimentada pela Palavra e pela Eucaristia, cresça na unidade, no serviço fraterno, na prática da justiça e da verdade, rezemos ao Senhor:

 

2. Pelo Clero, para que encontre na mesa da Eucaristia a força para sua missão e seja presença viva de Cristo, rezemos ao Senhor:

 

3. Pelos ministros da Igreja, para que desempenhem seu serviço da palavra, dos sacramentos e da comunhão eclesial com os sentimentos de Jesus, rezemos ao Senhor:

 

4. Por todos nós que celebramos esta páscoa, para que possamos encontrar na dimensão familiar da eucaristia, a alegria de pertencer a uma comunidade, rezemos ao Senhor:

 

5. Para que o tríduo pascal que hoje iniciamos nos ajude a testemunhar com grande confiança a Ressurreição de Jesus, rezemos ao Senhor:

 

C - Ó Deus que escutais sempre quando nos reunimos em vosso nome, escutai-nos hoje e que nossas preces vos sejam agradáveis e aceitas. Tudo isso vos pedimos por Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina na unidade do Espírito Santo. R. Amém.

 

- Coleta Fraterna

E o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembléia entoa um canto apropriado.

 

Ação de Graças

 

- Terminada a coleta, quem coordena convida a assembléia para o louvor:

 

C - Nesta noite festiva em que nos reunimos para celebrar o amor que nos une, preparando-nos para a festa da Páscoa, demos graças ao Senhor nosso Deus por tudo que somos e por tudo que trouxemos para esta celebração.

- trago presente os doentes desta comunidade

E vocês, o que trouxeram para esta celebração. Diga numa palavra.

 

- as pessoas falam... quem coordena prossegue.

 

Oremos:

 

C - Ó Deus de infinita bondade e misericórdia, nós vos glorificamos e vos rendemos graças, porque, neste mundo de morte, nos destes vosso reino pelo qual vossa Palavra é anunciada a vosso povo reunido. Dai a vossa Igreja, pelo auxílio de vossa graça, a coragem de professar sua fé, sem temor, e dar um testemunho de reconhecimento de vosso amor sem limites. Conservai-nos no bom caminho, para que, no meio de tantas dificuldades, não caiamos no desespero nem na exaltação. Por N.S.J.C., vosso Filho, na Unidade do Espírito Santo. Amém.

 

Louvor

 

C – O Senhor esteja com todos vocês

T – Ele está no meio de nós

C – Demos graças ao Senhor, nosso Deus.

T – É nosso dever e nossa salvação.

 

C – É nosso prazer e nossa salvação

dar glória a ti, ó Deus, Pai santo,

por Cristo, Senhor nosso, nesta santa noite

em que recordamos o início da sua santa páscoa.

 

T – Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor.

 

C – Estando para ser entregue,

ele reuniu os discípulos para uma ceia.

Revelando-se como servidor do teu reino,

deixou-nos o memorial da nova aliança.

 

T – Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor.

 

C – Participando agora no sacramento desta sua entrega, recebemos a graça de ter parte com ele

e a certeza de sermos um só coração, congregados em seu amor, para vivermos o ministério da unidade.

 

T – Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor.

 

C – Como Jesus que em sua última ceia reuniu-se com os seus para comer e beber juntos, revelando que o teu reino havia chegado, nós também nos alegramos na partilha deste pão consagrado,

memória viva do seu corpo.

Derrama sobre nós o teu Espírito, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam.

 

T – Por nós fez maravilhas, louvemos o Senhor.

 

C – Guiados pelo Espírito de Jesus e iluminados pela sabedoria do Evangelho, rezemos juntos a oração que o Senhor nos ensinou: PAI NOSSO... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

 

C - Vivemos num mundo de guerras, de violências, de exclusão, mas alimentamos em nosso coração um único desejo: a Paz. Elevemos as nossas mãos e peçamos juntos, a paz que vem de Deus:

 

T- Senhor Jesus Cristo, dissestes aos vossos apóstolos: eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz. Não olheis os nossos pecados, mas a fé que anima vossa Igreja; dai-lhe, segundo o vosso desejo, a paz e a unidade. Vós que sois Deus, com o Pai e o Espírito Santo. Amém.

 

C - A paz do Senhor esteja sempre com vocês!

 

T – O amor de Cristo nos uniu.

 

C - Irmãos e irmãs, saudemo-nos em Cristo Jesus.

 

Rito da comunhão

 

C - Irmãos e irmãs, o Senhor que nos alimentou com o pão da vida, na mesa da palavra, nos dá agora o seu próprio corpo. Demos graças ao Senhor ressuscitado presente no pão consagrado.

 

Ajoelhados

- O ministro traz o cibório do sacrário acompanhado de dois coroinhas (fiéis) com velas acesas e coloca sobre o corporal aberto no altar. 

 

Em pé - Canto:

O pão da vida, a comunhão,

nos une a Cristo e aos irmãos.

E nos ensina a abrir as mãos 

para partir, repartir o pão. (bis)

 

C – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede.”

Irmãos e irmãs, participemos da comunhão do Corpo do Senhor em profunda unidade com nossos irmãos(ãs) que neste momento, tomam parte da celebração eucarística, memorial vivo da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. O Corpo de Cristo será nosso alimento. Portanto, felizes, os convidados para a ceia do Senhor.

Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

T: Senhor...

 

C - Que o Corpo de Cristo nos guarde para a vida eterna. Amém.

 

Oração

 

C – Ó Deus, promessa de paz, hoje nos renovaste pela ceia do teu filho Jesus.

Faze que a força deste alimento nos acompanhe em toda a nossa vida e dá-nos a graça de participar na ceia do seu reino. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Adoração

 

Segue a adoração junto ao sacrário, até no máximo a meia noite, nunca com exposição em ostensório, nem o sacrário aberto. Proposta de oração para este momento: “Vigilância com Jesus no Horto”.

A adoração que segue, volta o nosso olhar para a entrega de Jesus no sinal do pão, mas deve ser feita com total sobriedade, até a meia-noite. A partir daí o objeto da nossa “adoração” é o mistério da paixão e da cruz, não o da presença no pão.

 

Nesta celebração não há bênção nem despedida.

 

 

VIGILIA EUCARÍSTICA - QUINTA-FEIRA SANTA

OFÍCIO DA AGONIA

 

(Distribuir para as pessoas que permanecerem na vigília, o texto das jaculatórias do terço da misericórdia e o Salmo 115).

1. Adoração

 

- Silêncio – Oração pessoal.

 

Refrão:    Onde reina o amor / fraterno amor!

                Onde reina o amor / Deus aí está.

 

C - Irmãos e irmãs, queremos, neste momento, nos unir a Jesus que se recolhe no horto das Oliveiras e rezar com ele. Jesus sente o momento difícil que está vivendo. Sabe que em breve será traído e condenado. Queremos rezar também por todas as pessoas que sofrem e vivem angustiadas. No sofrimento de tantos, é a própria agonia de Cristo que continua e se prolonga.

 

2. Abertura

 

Vem ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis)

Vem, não demores mais, vem nos libertar! (bis)

 

Ó Deus santo e forte, imortal Senhor. (bis)

Tem compaixão de nós por teu grande amor! (bis)

 

Venham vigiar, nos pede o Senhor, (bis)

Com ele vigiemos, fiéis no amor! (bis)

 

3. Recordação da Agonia

 

C - Nesta hora em que Cristo Jesus entrou em agonia no Horto das Oliveiras, recordemos todos aqueles que no mundo inteiro, a estas horas, se encontram angustiados, desesperados, quem sabe, porque a vida se tornou para eles um beco sem saída... Coloquemos aqui as nossas próprias angústias... Em tudo isso, é a própria agonia de Cristo que continua e se prolonga... Da boca de todos os angustiados do mundo, ouçamos, aqui e agora, a queixa que Jesus dirigiu a seus amigos: “Será que vocês não podem vigiar pelo menos uma hora comigo?...

 

- Silêncio

 

4. Terço da Misericórdia

 

Pai-Nosso...

Ave-Maria...

Creio...

Nas contas do Pai-Nosso, reza-se:

Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e Sangue, Alma e Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e do mundo inteiro.

Nas contas das Ave-Marias, reza-se:

Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro. (10 vezes)

Ao final do terço, reza-se:

Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro.

5. Salmo 115

 

R. O cálice por nós abençoado

    é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

 

Que poderei retribuir ao Senhor Deus

por tudo aquilo que ele fez em meu favor?

Elevo o cálice da minha salvação,

invocando o nome santo do Senhor.

 

É sentida por demais pelo Senhor

a morte de seus santos, seus amigos.

Eis que sou o vosso servo, ó Senhor,

mas me quebrastes os grilhões da escravidão!

 

Por isso oferto um sacrifício de louvor,

Invocando, o nome santo do Senhor.

Vou cumprir minhas promessas ao Senhor

na presença de seu povo reunido.

 

- Silêncio - Medite no seu coração as palavras do salmo, repita a que lhe tocou...

- Concluir cantando o refrão.

 

6. Jo 6,51-58

- Proclamar – reler pausadamente – silenciar.

 

Meditar: Qual o sentido do Lava-Pés na minha Vida.

 

7. Preces:

 

 

C - Confiantes, elevemos as nossas preces a Jesus, que durante a última Ceia com os seus discípulos, na noite em que foi entregue, deixou à Igreja o memorial perene de sua Paixão e ressurreição, cantando: Ouve-nos, amado Senhor Jesus.

 

- Ó Cristo, sacerdote do Altíssimo, te ofereceste uma vez por todas em sacrifício, ajuda-nos a fazer de toda a nossa vida uma oferta de amor a ti, e ao teu reino.

 

- Ó Cristo, nosso Salvador, aceitastes beber o cálice da paixão: ajuda-nos a ser solidários com os que sofrem.

 

- Ó Cristo, redentor do mundo, deste-nos o mandamento de celebrar a eucaristia em tua memória, faze que todas as comunidades cristãs possam celebrá-la, a cada domingo.

 

- Ó Cristo, servo do Senhor, amaste os teus discípulos até o fim: firma a serviço da comunhão todas as pessoas que têm o ministério de coordenação.

 

- Ó Cristo, Cordeiro de Deus, foste imolado e agora vives para sempre: faze que te sigamos onde quer que estejamos.

 

Preces espontâneas...

 

Pai Nosso

C – Com amor e confiança, rezemos a oração que o Senhor nos ensinou: Pai Nosso...

 

 

Oração

C ­- Ó Deus, hoje nos reuniste para celebrar a memória da última ceia de Jesus, na qual o teu unigênito nos confiou o gesto do seu amor e nos deu o mandamento novo. Ajuda-nos a fazer de toda a nossa vida uma oferenda de amor, a serviço dos irmãos e irmãs. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

C – Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

R. Para sempre seja louvado.

 

 

Fonte: GUIMARÃES, M. & CARPANEDO, P. Guia para as celebrações das comunidades, ciclo pascal. Ed. Cabreuva: Apostolado Litúrgico, 2004.

Almeida, S.F.- Celebrações na ausência do presbítero; Ed. Vozes.

Ofício Divino das Comunidades, ciclo da Páscoa

Doc 43 - CNBB

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Webnode