Sacramento do Matrimônio

Webnode
01/03/2012 17:42

 

SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO

Palestra para Noivos

 

         Tem finalidade um professor que freqüenta cursos e mais cursos só para si?

            Tem finalidade freqüentar uma faculdade de medicina para se automedicar?

            O grande valor da nossa profissão está em sermos nós para os outros. Daí o orgulho do Médico, do Advogado, do Professor, em ostentar o anel da sua categoria, símbolo da sua dedicação, do seu esforço, da sua vitória.

            Assim deveríamos valorizar a nossa aliança. Ela é o símbolo de uma grande conquista na nossa vida, ela simboliza a união do casal, ela nos lembra uma entrega espontânea e permanente; um compromisso assumido diante de Jesus e da sociedade.

            Eu posso me cansar de ser advogado e mudar de profissão. Mas eu não posso me cansar de ser casado e voltar a ser solteiro.

            Não diante de Deus, diante do Sacramento que recebi. Porque não se trata de um contrato, mas de um Sacramento, de um sinal que realiza o que representa.

           

Perante a sociedade, o contrato do Cartório atribui direitos e deveres a ambas as partes.

            Diante de Deus, o Sacramento do Matrimônio exige doação, compreensão, perdão, dedicação, aceitação.

            O Matrimônio pode ser chamado também de “a consagração dos Pais” que transforma a família num pequeno santuário, numa Igreja doméstica onde Pai e Mãe realizam sua missão.

            A família é a imagem de Deus, pois revela a família divina: Pai, Filho e Espírito Santo. Ela é uma Aliança de pessoas chamadas amorosamente pelo Pai para uma vida de íntima comunhão e amor que tem com modelo e fonte o amor de Cristo pela sua Igreja, ou seja, por nós.

            A lei fundamental da vida do amor conjugal é Comunhão e Participação e nunca Dominação.

            Matrimônio é doação à pessoa amada, sem perda da própria identidade.

 

MATRIMONIO = expressão simbólica da união do Cristo e da Igreja

      A igreja é a esposa de Cristo

 

A essência do Sacramento do matrimônio é atualizar este mistério permanente e reconhecer que a união Cristo-Igreja não é apenas uma imagem ilustrativa, mas uma realidade exemplar, um modelo para o matrimônio cristão.

UNIÃO INEFÁVEL + AMOR FIDELÍSSIMO = QUALIDADES DO MATRIMÔNIO

 

De uma visão jurídica do matrimonio como contrato passa-se a uma visão eclesiológica e mistérica.

A lei perde sua força e cede espaço para uma Aliança de Amor.

Essa aliança de amor se manifesta na celebração: “prometo ser fiel, na saude, na doença, na alegria e na tristeza... Todos os dias da minha vida”.

           

O matrimônio atualiza e manifesta de maneira permanente a união entre Cristo e a Igreja, transformando a vida matrimonial numa liturgia permanente.

JESUS eleva o matrimônio a Sacramento

A relação do matrimônio com o mistério de Cristo sempre foi reconhecida pela Igreja

A instituição do matrimônio como sacramento é posterior

Até a idade média a Igreja não incluiu o matrimônio entre os sete sacramentos por admitir que Cristo não instituiu o matrimônio.

 

O matrimônio era realizado no sentido das Alianças e compreendia dois momentos:

- O noivado: o noivo assinava um contrato com a família da noiva, estabelecia-se o dote da mulher e o pai da noiva o acolhia: hoje eu te recebo na minha família. (casamento civil hoje)

 

 

Logo, Cristo não instituiu um sinal sacramental próprio para o matrimônio, nem introduziu um novo modelo cultual do matrimônio.

Portanto, se por instituição entendemos um ato de Cristo legislador... Então Cristo não instituiu o sacramento do matrimônio.

 

Mas, se por instituição entendemos que em Cristo o sacramento encontra sua fundamentação básica;

- que é Cristo que dá pleno sentido ao matrimônio;

- que ele o encheu de uma realidade nova

- que dele procede a graça do sacramento

 

                                               ENTÃO

 

Somente Cristo pode ter instituído o sacramento do matrimônio

 

Em Cristo se cumpre tudo aquilo que permite considerá-lo como a última e definitiva causa, sentido e novidade do matrimônio.

São Paulo na 1Cor é quem melhor explica a novidade do matrimônio cristão:

1Cor 7,1-39:

 

O Matrimônio à luz da graça de Cristo

Existe um EU (pessoa humana) que tem qualidades e defeitos

Existe um TU (pessoa humana) que também tem qualidades e defeitos

 

MATRIMÔNIO é a união do EU + TU (duas realidades) que exige doação, entrega, amor - para formar o NÓS.

 

Essa entrega, doação por amor é reflexo da entrega, do amor de Jesus Cristo pela Igreja que foi capaz de ir até as últimas consequências.

No matrimônio, o amor de um homem e de uma mulher, deve visualizar esta entrega do Cristo por sua Igreja.

 

Os casais cristãos, através do seu amor, entrega, doação em todos os momentos, particularmente nas dificuldades, na doença, são para a sociedade a visualização do Cristo que, por amor a sua esposa (Igreja) foi capaz de ir até as últimas consequências.

        

Não representa virtude do homem ou da mulher, aceitar tudo o que o outro faz, mas sim Partilhar com ele (a) as decisões, colocando seu ponto de vista e proporcionando o crescimento de ambos.

            Para isso é fundamental que haja na vida matrimonial o Diálogo.

            Muitos casais pensam que em seus lares acontece o diálogo, porque conversam muito. Só que nas decisões finais sempre prevalece a opinião dele(a). Isto não é Diálogo.

            Dialogar também não é despejar os problemas do dia tão logo o marido ponha os pés dentro de casa.

            Como também não é diálogo dizer: “Pode falar que eu estou ouvindo”, mas permanecer atento ao seu programa na televisão:

            Dialogar é expor o meu ponto de vista sobre um determinado assunto, mas estar aberto para ouvir o ponto de vista do outro e juntos, escolher o melhor caminho.

            Num lar onde há diálogo, não existem perdedores, existe Unidade.

            Ao dar sua vida pela Igreja, Cristo quis nos deixar o exemplo de como deve ser a vida do casal no matrimônio.

           Duas pessoas não precisam pensar igual. Todos nós temos defeitos e qualidades. O Sacramento do Matrimônio nos convida a assimilar os defeitos do outro, a ajudar a corrigi-los e a valorizar as qualidades, que com certeza são muito maiores.

            O casal que vive o seu matrimônio a cada instante; que renova seu compromisso e dá testemunho a cada momento, está na realidade mostrando para a sociedade não apenas a sua família, mas o próprio Jesus Cristo, presente no meio do seu povo.

            O sacramento do Matrimônio não é nenhum paredão que impeça a discórdia, o desentendimento, mas dá meios e forças para solucioná-los. Problemas sempre teremos. Encontrar a solução com dignidade cristã é a grande proposta. Muitas vezes, os casais se desesperam, tomam atitudes impensadas e depois concluem que o problema não era tão grande assim, que havia soluções bem mais práticas se não tivessem se desesperado.

            Se eu quiser unir dois volumes de livros de modo que fiquem bem firmes, preciso usar uma cola de boa qualidade.

            Para unir duas pessoas por toda vida, eu preciso de uma cola chamada Jesus Cristo.

            Quando abraçamos o Sacramento do Matrimônio, é com se abraçássemos um amigo muito querido. Se esse amigo se muda, nós vamos visitá-lo, escrevemos porque senão a amizade esfria.

            O Sacramento do Matrimônio vai colocar vocês diante de Cristo e vocês vão se comprometer a caminhar juntos. Enquanto esse compromisso fizer parte da vida de vocês, da vossa lembrança, será fácil. Mas os problemas, as tentações do mundo, a rotina da vida podem afastá-los de Jesus e o Sacramento ficar em segundo plano. Por isso é preciso visitá-lo, é preciso ser coerente, permitindo que Jesus os guie e oriente também após a cerimônia.

            Que o Sacramento não fique somente no ato litúrgico, na festa.

            Quando eu aceito o Sacramento do Matrimônio eu sou casado 24 horas por dia e todos os dias. Não existe folga matrimonial no fim de semana.

            Um curso de noivos é uma boa oportunidade para refletir juntos como foi a preparação dessa união que se aproxima. Foi uma preparação cristã? Então vamos continuar sendo cristãos.

            Não foi uma preparação cristã? Nossos valores não incluíram Cristo? Vamos reavaliar nossa caminhada.