Via Sacra Encenada

 

ACOLHIDA

A devoção da Via Sacra consiste na oração e no gesto de acompanhar o Senhor Jesus em seus sofrimentos conhecidos como a paixão de Nosso Senhor, a partir do Tribunal de Pilatos até o Monte Calvário.

Esta maneira de meditar teve origem no tempo das Cruzadas (século X). Os fiéis que peregrinavam na Terra Santa e visitavam os lugares sagrados da Paixão de Jesus, continuaram recordando os passos da Via Dolorosa de Jerusalém. Em suas pátrias, compartilharam esta devoção à Paixão. O número de 14 estações fixou-se no século XVI.

Há muitas meditações da Via Sacra. Aqui oferecemos uma das versões do "Guia da Devoção à Misericórdia Divina", adaptada para a comunidade são Pedro e São Paulo, de Curitiba-PR

"São poucas as almas que contemplam a Minha Paixão com um verdadeiro afeto. Concedo as graças mais abundantes às almas que meditam piedosamente sobre a Minha Paixão."

-          Jesus a Santa Irmã Faustina

 

DIAC: Caros irmãos(as) , Jesus é a manifestação do rosto misericordioso de Deus. Um Deus que perdoa os pecados; que acolhe o filho pródigo; que perdoa a pecadora que o ungiu com perfume, esquecendo tudo o que ela fez.

 

TODOS: “Por essa razão eu declaro a você que os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados, porque ela demonstrou muito amor!” (Lc 7,47)

 

DIAC: Iniciemos nosso exercício de piedade, associando-nos à paixão, morte e ressurreição de Jesus, cantando:

 

Prova de amor maior não há,

Que doar a vida pelo irmão. (bis)

 

Eis que eu vou dou, o meu novo mandamento:

Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado.

Prova de amor...

 

Vós sereis os meus amigos, / se seguirdes meu preceito / Amai-vos uns aos outros / como eu vos tenho amado.

 

Como o Pai sempre me ama, / assim também eu vos amei, / Amai-vos uns aos outros / como eu vos tenho amado.

 

1ª Estação: JESUS É CONDENADO À MORTE

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

 

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

2

LEITOR: Jesus veio para iniciar um novo tempo, cheio de graça e de paz. Para isso, anunciou a Boa-Nova, mas os seus não o aceitaram.

 

TODOS: Preferiram ficar presos no seu próprio pecado e, por isso, condenaram Jesus.

 

Grupo 1: Encena o julgamento

 

Pilatos: O que farei então com Jesus, que vocês chamam de rei dos judeus?

 

Grupo: Crucifica-o! Crucifica-o!

 

Pilatos: (lavando as mãos) eu não sou responsável pelo sangue deste homem. Soltem Barrabás. Quanto a Jesus, seja flagelado e entregue para ser crucificado.

 

DIAC: Jesus, continua hoje, sendo condenado naqueles que o mundo condena, exclui. Nas crianças mortas no ventre materno; nos menores abandonados nas ruas; nos idosos sem amparo; nos doentes sem assistência.

 

TODOS: Peçamos perdão a Deus por essa grande injustiça existente no mundo em que vivemos, provocada pela ganância e pelo egoísmo.

 

Sl 50, 1-2

- Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia!*

  Na imensidão de vosso amor, purificai-me!

- Lavai-me todo inteiro do pecado,*

  e apagai completamente a minha culpa!

 

- Eu reconheço toda a minha iniqüidade,*

  o meu pecado está sempre à minha frente.

- Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei,*

  e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos: Ó Deus, que nos enviastes vosso Filho para que todos nós tivéssemos vida. Nós vos pedimos por todos aqueles que estão sofrendo alguma doença mental corporal ou espiritual para que tenham sua dignidade restituída. Que a vossa luz continue a iluminar a nossa vida para que possamos guiar o nosso irmão pelos vossos caminhos. Por Cristo, Senhor nosso. Amém!

 

Canto:

            Ao morrer crucificado, / teu Jesus é condenado,/  por teus crimes pecador! / (bis)

            Pela virgem dolorosa, / vossa mãe tão piedosa/ Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

2ª Estação: JESUS CARREGA A CRUZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

 

LEITOR: O peso da cruz carregado por Jesus, é hoje sentido pelos nossos irmãos que são obrigados a carregar o peso da exclusão.

 

LEITOR: “Eles levaram Jesus. Jesus carregou a cruz nas costas e saiu para um lugar chamado – lugar da Caveira, que em hebraico se diz: Gólgota”. (Jo 19,17).

 

Grupo 2: Encenação

         - passa um personagem carregando a cruz

 

DIAC: Hoje, Jesus continua a carregar a sua cruz, na pessoa dos nossos irmãos marginalizados, excluídos, discriminados pelo racismo, pela falta de oportunidade.

 

(enquanto o leitor narra o fato, personagens vão passando com cartazes indicando sua situação)

 

TODOS: Muitas pessoas são obrigadas a carregar suas cruzes todos os dias:

 

         - personagens passam com cartazes:

- a fome

- a miséria

- a doença

- a angústia

- o desemprego

 

DIAC: Senhor, diante de um número crescente de pessoas desprezadas, obrigadas a carregar uma cruz pesada demais, nós te pedimos:

TODOS: Perdão Senhor, porque também nós temos culpa, pois não reconhecemos que diante de ti todas essas pessoas têm a mesma dignidade que nós.

 

Sl 50, 6-7

- Criai em mim um coração que seja puro,*

  dai-me de novo um espírito decidido.

- Ó Senhor, não me afasteis de vossa face,*

  nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

 

- Dai-me de novo a alegria de ser salvo*

  e confirmai-me com espírito generoso!

- Ensinarei vosso caminho aos pecadores,*

  e para vós se voltarão os transviados.

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos: Senhor, olha por nós que te acompanhamos, hoje, em tua paixão e caminhada até o calvário. Concede-nos força e coragem para assumir até o fim, a nossa cruz; sabedoria e serenidade para entender as nossas cruzes como manifestação de confiança que depositas em nós; humildade, paciência e dignidade para carregá-la sem lamentações; alegria por estarmos associados à tua paixão, na certeza da nossa participação também, na tua vitória sobre a morte. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto

Webnode

- Com a cruz é carregado, / e do peso, acabrunhado,/:   vai morrer por teu amor /(bis)

- Pesa a cruz da injustiça / da ambição e da cobiça /  convertei-nos, ó Senhor / (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

3ª Estação: JESUS CAI PELA PRIMEIRA VEZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz, remistes o mundo!

 

LEITOR: Pelos pecados da humanidade Ele foi condenado.

 

LEITOR: Jesus não suporta o peso da cruz e cai. É difícil carregar sozinho, nas costas, os pecados de toda humanidade.

 

DIAC: Quantas vezes, nós colaboramos para que o peso da cruz aumentasse ainda mais!

Encenação

- um personagem cai com vários cartazes sobre o corpo.

- Outros personagens retiram os cartazes um a um e mostram para a assembléia.

Cartaz 1 – Falta de solidariedade

Cartaz 2 – Falta de fraternidade

Cartaz 3 - Violência no lar

Cartaz 4 – Desprezo aos idosos

 

TODOS: Perdão, Senhor, pelas vezes que a nossa fragilidade humana nos afastou do seu caminho,

impondo sobre seus ombros o pesado fardo dos nossos pecados.

 

Sl 50, 3-4

- Mostrais assim quanto sois justo na sentença,*

  e quanto é reto o julgamento que fazeis.

- Vede, Senhor, que eu nasci na iniqüidade*

  e pecador já minha mãe me concebeu.

 

- Mas vós amais os corações que são sinceros,*

  na intimidade me ensinais sabedoria.

- Aspegi-me e serei puro do pecado,*

  e mais branco do que a neve ficarei.

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos: Senhor, ajuda-nos a não desanimar em nossas quedas diárias. Dá-nos forças para suportar as dificuldades, superar as fraquezas e lutar por melhores condições de vida. Ajuda-nos a assumir, como ovelhas do mesmo rebanho, a nossa parcela de responsabilidade e compromisso com todos os encurvados sob o peso da cruz. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- Pela cruz tão oprimido / cai Jesus desfalecido /   pela tua salvação: / (bis)

- Se na queda a dor é tanta / a esperança nos levanta /   nos ajuda a caminhar: / (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/ Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

8

4ª Estação: JESUS ENCONTRA A SUA MÃE

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

 

LEITOR: Maria é presença solidária que pede de nós a mesma atitude junto a tantos sofredores da sociedade.

 

LEITOR: No caminho para o Calvário, Jesus encontra sua mãe.

Encenação

- um personagem com a cruz encontra a mãe.

 

DIAC: Como é confortante para um filho saber que sua mãe está a seu lado nos momentos das maiores dificuldades.

            - sai o personagem com a cruz e entram outros com cartazes. Mostram o cartaz ao público e abraçam a mãe.

- eu estou desempregado

- eu me envolvi com as drogas

- eu cometi um crime e estou preso

 

LEITOR:  Como é difícil para a mãe presenciar a angústia e o sofrimento de seu filho.

 

DIAC: Aqui se dá o encontro entre a dor que machuca e a presença que consola.

 

TODOS: Como é bom sentir que não se está sozinho!

 

LEITOR: Como é gostoso poder contar com um ombro amigo, um colo, um olhar de carinho e compreensão!

 
Sl 147, 1-2

- Glorifica o Senhor, Jerusalém!*

  Ó Sião, canta louvores ao teu Deus!

 

- Pois reforçou com segurança as tuas portas,*

  e os teus filhos em teu seio abençoou;

- a paz em teus limites garantiu *

  e te dá como alimento a flor do trigo.

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos:  Ò Deus, assim como Maria que enfrentou o conflito suscitado por seu Filho Jesus, sem envergonhar-se, mas, assumindo-o corajosamente, concede que nós também possamos assumir com essa mesma coragem e resistência os conflitos que a missão nos impõe. Em Maria nos deste um exemplo de solidariedade e serenidade diante da dor. Faze o nosso coração semelhante ao dela: forte, sereno, compassivo e carinhoso. Por Cristo nosso Senhor. Amem.

 

Canto:

- De Maria lacrimosa / sua mãe tão dolorosa /

   vê a imensa compaixão:/ (bis)

- Nas agruras do caminho / sempre há toques de carinho

   de ternura e compaixão:/ (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/

   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

5ª Estação: O CIRINEU AJUDA JESUS A CARREGAR A CRUZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

 

LEITOR: A ajuda de Simão Cirineu a Jesus faz despertar em nós o compromisso com os mais necessitados. Alguém do meio do povo é convidado a ajudar Jesus a carregar a sua cruz.

Encenação:

         - um personagem com a cruz, entra, para e olha para o povo.

            - os que acompanham o personagem entram pelo meio do povo e trazem um outro personagem do grupo e o obrigam a ajudar a carregar a cruz.

 

DIAC: Na pessoa do Cirineu identificamos um número muito grande de pessoas que entregam suas vidas por uma causa concreta: Ajudar os outros.

            - Entram personagens com cartazes:

- Madre Teresa de Calcutá.

- Irmã Doroty

- Chico Mendes

- O povo brasileiro socorrendo os desabrigados de Santa Catarina.

 

LEITOR: A solidariedade é uma das virtudes mais bonitas no ser humano.

 

TODOS: Nada é maior do que a solidariedade; e por ela a gente não agradece, se alegra.

 

DIAC: Maria é nosso modelo de solidariedade e disponibilidade. Que esta nossa Via Sacra desperte em nós, os mesmos sentimentos de Maria.

 

Sl 147, 3-4

- Ele envia suas ordens para a terra,*

  e a palavra que ele diz corre veloz;

- ele faz cair a neve como lã *

  e espalha a geada como cinza

 

- Como de pão lança as migalhas do granizo,*

  a seu frio as águas ficam congeladas.

- Ele envia sua palavra e as derrete,*

  sopra o vento e de novo as águas correm.

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos: Ó Deus, Pai de bondade e de misericórdia, que pelo batismo nos confiastes a missão de construir o vosso Reino, ajuda-nos a superar nossos momentos de fraqueza diante do compromisso. Fortalece-nos Senhor em nossa disponibilidade e que seguindo o exemplo de Maria, nos façamos cada vez mais próximos dos irmãos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- No caminho do calvário / um auxílio é necessário/  Não lhe nega o Cirineu / (bis)

- Mãos bondosas que se estendem / que apóiam,      compreendem /- mão de Deus, mão dos irmãos / (bis).

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

6ª Estação: VERÔNICA ENXUGA O ROSTO DE JESUS.

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

Encenação:

            - entra personagem com a cruz. Do meio do povo, “Verônica” vai ao seu encontro e enxuga o seu rosto e saem.

 

LEITOR: Um gesto simples, porém, carregado de amor. No meio do sofrimento uma mão amiga tem enorme valor.

 

Alguém cambaleando como se estivesse embriagado, cai

 

LEITOR – Esse tomou todas!

 

- Duas pessoas o socorrem e constatam que ele não está embriagado mas passou mal e caiu. O caído recobra a memória e agradece a ajuda.

 

LEITOR: Enxugar o rosto é colaborar para o resgate da dignidade da pessoa.

 

TODOS: Senhor, que nunca nos omitamos em estender a mão a um irmão sofredor. Ajuda-nos a ser promotores da solidariedade.

 

Antífona do Sl 147

Adoramos, Senhor, vosso madeiro,

vossa ressurreição nós celebramos.

A alegria chegou ao mundo inteiro,

pela cruz que nós hoje veneramos.

 

DIAC - o toque de verônica deixou estampado naquela toalha o rosto de Jesus.

- também nós queremos deixar gravado no coração do nosso irmão(a) a nossa alegria de estar participando com ele(a) desta via sacra e desta romaria.

- encoste sua cabeça no ombro da pessoa que está ao seu lado. Cada um de nós é um sinal de Cristo para o nosso irmão(a). Que ele sinta no nosso toque, o toque do próprio Cristo, aquele toque que marcou a toalha de Verônica.

- Deseje no íntimo do seu coração, a graça de Deus para essa pessoa em quem você está recostado.

- e você que sente este toque de Cristo, peça a Deus que abençoe a pessoa que toca em você. Peça a Deus que renove o seu coração.

 

CANTO: Renova-me

 

Renova-me, Senhor Jesus, / já não quero ser igual.

Renova-me, Senhor Jesus,/ põe em mim seu coração.

Porque tudo que há dentro de mim/ precisa ser mudado, Senhor.

Porque tudo o que há dentro do meu coração/ precisa mais de ti.

 

DIAC: Oremos: Ó Senhor, Deus dos oprimidos, vós que assumistes a dor e o sofrimento do povo; vós, que tivestes pena e enxugastes o pranto de tantas Marias, permite que hoje, também nós possamos enxugar o vosso suor e o vosso pranto no rosto desfigurado dos nossos irmãos e irmãs sofredores. Dá-nos a graça da compaixão e da ternura, para aliviar, como Verônica, seus corpos cansados e seus corações feridos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Canto:

- Eis o rosto ensangüentado, / por Verônica enxugado, /   que no pano apareceu: / (bis)

- Quando a dor nos desfigura / todo gesto de ternura /   revigora o coração: / (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

7ª Estação: JESUS CAI PELA SEGUNDA VEZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz, remistes o mundo!

 

LEITOR: A segunda queda de Jesus acontece no longo percurso até o Calvário. Jesus carrega o peso de nossas culpas. Depois de um certo tempo, as forças vão se extinguindo e o sacrifício é maior.

TODOS: Quantas e quantas vezes nós colaboramos para aumentar o peso da cruz?

Encenação:

- Um personagem com a cruz. Pessoas do grupo vão colando na cruz cartazes com os pecados da humanidade. Antes de colar, pronuncia bem alto a frase:

- quem não pensa igual a mim, está excluído

- esses pedintes não querem nada com o trabalho

- se existe miséria o problema é do governo

         Personagem cai com o peso da cruz.

 

DIAC: Existem muitas formas de exclusões que são as quedas da humanidade. Se alguém é excluído, a dignidade humana de todos é posta em dúvida e a paz é de mentira.

TODOS: Então ficaríamos naquela situação que levou Jeremias a clamar: “Tratam com negligência as feridas do meu povo e exclamam: Tudo vai bem! Tudo vai bem! Quando, na verdade, tudo vai mal!” (Jr 6,14).

 

Sl 39, 1-2

- Esperando, esperei no Senhor,*

  e inclinando-se, ouviu meu clamor.

- Retirou-me da cova da morte*

  e de um charco de lodo e de lama.

 

- Colocou os meus pés sobre a rocha,*

  devolveu a firmeza a meus passos.

- Canto novo ele pôs em meus lábios,*

  um poema em louvor ao Senhor.

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

16

DIAC: Oremos: Senhor nosso Deus, Pai misericordioso, sustentai o animo de tantas pessoas que se encontram desestruturadas devida à falta de condições dignas de vida. Liberta-nos do medo, Senhor, e concede-nos coragem profética para denunciar tudo o que fere a vida da natureza e dos seres humanos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- Outra vez desfalecido / pelas dores abatido /

   cai por terra o Salvador : / (bis)

- Se na queda a dor é tanta / a esperança nos levanta /

   nos ajuda a caminhar : / (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/

   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

  

8ª Estação: JESUS ENCONTRA AS MULHERES E AS CONSOLA

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

Encenação:

- Um grupo de mulheres chora ao ver Jesus suportando tanto sacrifício e humilhação.

- Personagem com a cruz: “Mulheres de Jerusalém, não chorem por mim! Chorem por vocês mesmas e por vossos filhos!” (Lc 23,28).

 

TODOS: Jesus valorizou as mulheres. O compromisso de eliminar a discriminação deve ser assumido por todos nós.

 

Sl 18, 5-6

- A lei do Senhor Deus é perfeita,*

  conforto para a alma!

- O testemunho do Senhor é fiel,*

  sabedoria dos humildes.

 

- Os preceitos do Senhor são precisos,*

  Alegria ao coração.

- O mandamento do Senhor é brilhante,*

  para os olhos, é uma luz.

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos: Ó Deus, recordando a bondade de Cristo que, compadecido das mulheres e do povo, realiza em seu favor maravilhas de amor, ajuda-nos a imitá-lo em nossas vidas. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- Das mulheres que choravam,/ que fiéis o acompanhavam/

   é Jesus consolador: / (bis)

- Há quem chora e compadece,/ mas também se compromete /

- são sinais de um Deus-irmão/ (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/

  Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

9ª Estação: JESUS CAI PELA TERCEIRA VEZ.

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz, remistes o mundo!

Encenação:

- Um personagem com a cruz. Pessoas do grupo vão colando na cruz cartazes com os pecados da humanidade. Antes de colar, pronuncia bem alto a frase:

- Assassinatos

- Violência no trânsito

- Estupros

- Seqüestros

         Personagem com a cruz, cai.

 

TODOS: O pecado da humanidade aumenta enormemente o peso da cruz. Jesus cai pela terceira vez.

 

LEITOR: Nesta terceira queda é provável que Jesus tenha caído com o rosto no chão. Sentiu o gosto da terra.

 

TODOS: Mas é preciso levantar a cabeça e prosseguir o caminho:

 

Personagem: “Não se faça, ó Pai, a minha vontade, mas a tua” (Mt 26,39).

 

DIAC: Na noite em que foi entregue, Jesus deixou à Igreja o memorial perene de sua Paixão e Ressurreição. Ao nosso Salvador, oremos dizendo: - Santificai, Senhor, o povo que remistes com vosso sangue!

 

1. Jesus, nosso redentor, concedei que, pela penitência, nos associemos cada vez mais plenamente à vossa Paixão, a fim de alcançarmos a glória da ressurreição.

 

2. Acolhei-nos sob a proteção de Maria, vossa Mãe, consoladora dos aflitos, para podermos confortar os tristes com o mesmo auxílio que de vós recebemos.

 

3. Concedei aos vossos fiéis a graça de tomar parte na vossa Paixão por meio dos sofrimentos da vida, para que também neles se manifeste a vossa salvação.

 

DIAC: Oremos: Ó Deus dos sofredores, faze de nós mensageiros de esperança para todos aqueles que perderam o sentido da vida, abatidos pelas quedas e decepções. Coloca em nossas mãos a energia das tuas mãos, para que possamos levantar os desanimados e prostrados no chão da miséria e do desprezo, e acenar para o alto, mostrando que existe uma saída, porque Tu és o DEUS da VIDA. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- Cai terceira vez prostrado, / pelo peso redobrado /

   dos pecados e da cruz: / (bis)

- Se na queda a dor é tanta / a esperança nos levanta /

   nos ajuda a caminhar: / (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/

   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis).

 

10ª Estação: JESUS É DESPIDO DE SUAS VESTES

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

Encenação:

- Personagem usando túnica e calção é despido.

 

LEITOR: Jesus nunca teve nada. Nasceu num lugar emprestado, não tinha onde reclinar a cabeça. Quis nos dar o exemplo do despojamento total. Até mesmo a veste que usava lhe é tirada.

 

TODOS: É grande o desrespeito ao ser humano quando é tirado tudo o que lhe pertence. Não bastasse a humilhação da cruz, Jesus é submetido a outra humilhação maior, foi despojado de suas roupas. Aquele que é Deus foi obrigado a despir-se de tudo. Mas ninguém poderá despojá-lo de sua grandeza interior, de seu amor pela humanidade, de seu sonho.

 

Sl 39, 17-18

- Mas se alegre e em vós rejubile *

  todo ser que vos busca, Senhor!

- Digam sempre: “É grande o Senhor!”*

  os que buscam em vós seu auxílio.

 

- Eu sou pobre, infeliz, desvalido,+

  porém, guarda o Senhor minha vida,*

  e por mim se desdobra em carinho.

- Vós me sois salvação e auxílio:*

  vinde logo, Senhor, não tardeis!

 

- Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

  Como era no princípio agora e sempre. Amém.

 

DIAC: Oremos: Senhor, “é morrendo que se vive para a vida eterna”. Despoja-nos de toda vaidade e ambição, que nos escravizam, nos prendem. Ajuda-nos a buscar o essencial. Concede-nos que sejamos, sempre, para os humilhados e desprezados um sinal de tua bondade e compaixão. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

Canto

- Já das vestes despojado / por verdugos maltratado /

  eu vos vejo, meu Jesus: / eu vos vejo, meu Jesus

- Tanta gente despojada / esquecida e explorada /

   paga o preço da ambição: / paga o preço da ambição

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/

  Perdoai-nos, bom Jesus/ perdoai-nos, bom Jesus.

 

11ª Estação: JESUS É PREGADO NA CRUZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

Encenação:

- Colocar a escada atrás de um biombo. No alto da escada um personagem de braços abertos como crucificado.

 

LEITOR: “Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali crucificaram Jesus e os malfeitores: um à sua direita e outro à sua esquerda” (Lc 23,33).

 

LEITOR: Pregaram os seus pés, mas não o impedirão de continuar indo ao encontro de seu povo.

 

DIAC: Pregaram suas mãos, mas não poderão impedi-lo de continuar abraçando, abençoando, curando, levantando, acarinhando.

 

Enquanto se lê, personagens do grupo encenam o abraço, a benção, carinho.

 

LEITOR: Pregaram e imobilizaram seu corpo, mas não o seu sonho, a sua vida, o seu amor.

 

TODOS: Senhor, queremos ser os teus pés para ir ao encontro dos que sofrem e anunciar a todos a boa Notícia. Queremos ser as tuas mãos, para abençoar, proteger, aliviar as dores, servir. Queremos ser, enfim, sinal da tua bondade, da tua compaixão, da tua ternura e da tua verdade para os pequenos e oprimidos. Conta conosco, Senhor, e faze de nós instrumentos do teu amor.

HINO

Ó Cruz, do mundo bênção,

ó divinal troféu:

da morte foste a porta

e agora és do céu. (bis)

 

Venceu o mal aquele

que tudo atrai a si:

qual vítima imolada

suspenso foi em ti.(bis)

 

Louvor, poder e glória

por ti, subam, ó cruz,

ao Deus que é uno e trino,

inacessível luz.(bis)

 

DIAC: Oremos: Ó Deus, cuja inefável sabedoria maravilhosamente se revela no escândalo da cruz, concedei-nos contemplar a bendita paixão do vosso Filho, para que confiantes, nos gloriemos sempre na sua cruz. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- Sois por mim na cruz pregado / insultado, blasfemado: /  com cegueira e com furor: / (bis)

- Quanto irmão crucificado: / é Jesus abandonado, /   esperando compaixão: / (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/  Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis)

 

12ª Estação: JESUS MORRE NA CRUZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

 

LEITOR: A morte de um inocente na cruz demonstra o infinito amor de Deus pela humanidade. Jesus experimentou em tudo a condição humana, menos o pecado. A morte é a experiência da finitude. Jesus morreu por causa dos nossos pecados. Todos colaboramos com sua morte.     

Encenação:

- Repetir o cenário anterior.

 

Crucificado: Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito. – tomba a cabeça

 

Centurião: “De fato, esse homem era um justo!” (Lc 36,46ss).

 

Cântico Fl 2,6-8

- Embora fosse de divina condição,+

  Cristo Jesus não se apegou ciosamente *

  a ser igual em natureza a Deus Pai.

 

- Porém esvaziou-se de sua glória +

  e assumiu a condição de um escravo,*

  fazendo-se aos homens semelhante.

 

- Reconhecido exteriormente como homem, +

  humilhou-se, obedecendo até a morte,*

  até a morte humilhante numa cruz.

 

DIAC: Oremos: Deus Pai de misericórdia, afastai de nós o medo e todo obstáculo, para que, inteiramente disponíveis, nos dediquemos ao vosso serviço. Concede-nos seguir o caminho de Jesus, com essa mesma disposição. Faze de nós pessoas plenamente comprometidas com o Evangelho e com a vida. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

Canto:

- Meu Jesus, por nós morrestes! / por nós todos padecestes /- Oh! Que grande é nossa dor: /(bis)

- Quantos morrem no caminho, / sem apoio, sem carinho/ - Falta amor entre os irmãos: /(bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/  Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis)

           

13ª Estação: JESUS É DESCIDO DA CRUZ

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

 

LEITOR: Constatada a morte de Jesus, os seus amigos o retiraram da cruz e o prepararam para o sepulcro. São os braços amigos que o amparam, ao menos na morte.

Encenação:

- Enquanto se narra o texto abaixo, personagens o interpretam.

 

LEITOR: “Havia um homem bom e justo, chamado José. Ele era de Arimateia. José foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus. Desceu o corpo da cruz e o enrolou num lençol” (Lc 23,53ss).

 

            Maria (sentada numa pedra) recebe o corpo desfalecido de Jesus.

 

DIAC: Como Maria, muitos pais e mães acolhem em seu coração, jovens e crianças sem esperança na vida.

 

Cântico Fl 2, 9-11

- Por isso Deus o exaltou sobremaneira +

  e deu-lhe o nome mais excelso, mais sublime,*

  e elevado muito acima de outro nome.

 

- Para que perante o nome de Jesus +

  se dobre reverente todo joelho,*

  seja nos céus, seja na terra ou nos abismos.

 

- E toda língua reconheça, confessando,+

  para a glória de Deus Pai e seu louvor:*

  “Na verdade Jesus Cristo é o Senhor!”

 

DIAC: Oremos: Senhor, ao contemplarmos a dor de Maria recebendo seu filho nos braços, nós te pedimos especialmente, por todas as mães que, ao verem seus filhos desfalecidos pela miséria, fome, violência e drogas, sofrem e se sentem impotentes. Por toda família, que também chora e sofre junto, pedimos o teu alívio, pois, somente em Ti encontrarão a água que procuram para saciar a sua sede de paz e tranquilidade. Concede a todos os pais que choram a perda de seus filhos, sentir junto deles a tua presença confortadora. Faze com que a esperança da ressurreição seja, para eles, maior que a dor da perda. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

Canto

- Do madeiro vos tiraram / e nos braços vos deixaram // :   de Maria, que aflição! / (bis)!

- Quantas mães de olhar sem brilho / por perderem os seus filhos /   Só encontram solidão/ (bis)

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/   Perdoai-nos, bom Jesus/ (bis)

 

Encenação:

- transportar o corpo envolvido em lençol até a próxima estação.

           

                        14ª Estação: JESUS É SEPULTADO

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

Encenação:

- Colocar o corpo no sepulcro.

 

LEITOR: É difícil compreender Jesus Cristo, o Filho de Deus colocado num sepulcro. Para os que não tem fé, parece fracasso. Como é que Deus pode morrer?

 

LEITOR: Jesus veio para que todos tivessem vida. A sua morte é o resgate de toda humanidade. O sepulcro será o sinal da vitória de Jesus. Nosso Deus faz a experiência radical da morte e do aniquilamento.

 

DIAC: Maria, ao sepultar o corpo de Jesus, quer enterrar também os pecados e violências do mundo, quer enterrar toda forma de opressão, que não deixa o povo viver.

 

TODOS: Senhor, dá-nos a coragem, a resistência e a solidariedade de Maria.

 

LEITOR: Maria vence a tristeza e se coloca a serviço de uma Igreja prestes a nascer.

 

TODOS: Senhor, dá-nos um coração generoso, despojado, firme e decidido como o de Maria.

 

DIAC: Adoremos com sincera piedade a Cristo, nosso Redentor, que por nós sofreu a Paixão e foi sepultado para ressuscitar ao terceiro dia; e peçamos humildemente: - Senhor, tende piedade de nós!

1. Cristo, nosso Mestre e Senhor, obediente até a morte por nosso amor, ensinai-nos a obedecer sempre à vontade do Pai.

2. Cristo, nossa vida, que morrendo na cruz destruístes o poder da morte e do inferno, ensinai-nos a morrer convosco, para merecermos também ressuscitar convosco na glória.

3. Cristo, nossa salvação, que destes a vida por amor do seres humanos, vossos irmãos e irmãs, fazei que nos amemos uns aos outros com a mesma caridade.

4. Cristo, nosso Salvador, que de braços abertos na cruz quisestes atrair para vós a humanidade inteira, reuni em vosso reino os filhos e filhas de Deus dispersos pelo mundo.

 

DIAC: Oremos: Ó Deus, levantai o ânimo dos vossos filhos, para que refletindo sobre o mistério da morte e ressurreição de Jesus, obtenham de vossa proteção o mais poderoso auxílio. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

Canto

- No sepulcro vos deixaram, / enterrado vos choraram /

   magoado o coração / magoado o coração

- Para tantos nessa estrada / a esperança é sepultada, /

   mas a fé não morre, não/ mas a fé não morre, não

- Pela virgem dolorosa,/ vossa mãe tão piedosa/

   Perdoai-nos, bom Jesus/ perdoai-nos, bom Jesus.

 

DIAC - Durante as semanas da quaresma os setores, famílias apresentaram a Jesus as suas cruzes. Hoje queremos pedir ao Pai que nos dê forças para vencer o mal e o sofrimento que as nossas cruzes simbolizam.

 

Bênção das cruzes antes da queima

 

Ó Deus de bondade e rico em misericórdia que nos concedestes fazer a experiência do calvário, seguindo os passos de seu filho Jesus.

 

Nós vos pedimos ó Pai, que abençoeis estes vossos filhos e filhas que nesta quaresma colocaram junto ao altar de seu Filho Jesus, as suas cruzes, símbolo de seus sofrimentos que os impedia de viver a vossa graça.

 

Ressuscita, Senhor, para uma vida nova, cheia de esperança e fé a todos nós que agora, confiantes queimamos tudo o que nos impedia de viver e reconhecer tantos dons que nos concedes a cada dia.

Que este fogo, ao consumir as nossas cruzes, livre-nos do mal que elas simbolizam. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

 

- Anunciar a 15ª estação no Átrio com a porta fechada.

 

15ª Estação: JESUS RESSUSCITA

 

DIAC: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!

TODOS: Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo!

Encenação:

- Um jovem vestido de branco surge no átrio e anuncia:

 

JOVEM: Vocês estão procurando Jesus de Nazaré, que foi crucificado? Ele ressuscitou. A morte foi vencida, a cruz perdeu o seu poder. Podem queimar as suas cruzes

- quando todos tiverem colocado suas cruzes no tambor em chamas, o jovem convida:

            - Venham, ele quer falar com vocês.

 

- Abre a porta do Átrio e convida o povo a entrar. Sobre o altar o ostensório com o Cristo Ressuscitado.

- deixar alguns momentos de silêncio para oração individual.

 

DIAC: Oremos: Senhor Jesus, terminamos o percurso da via-sacra; meditamos e rezamos sobre os sofrimentos que enfrentastes no caminho até o Calvário. Sobre vossa cruz resplandece a luz da esperança, que não nos permite voltar atrás. A vossa cruz se torne para nós sinal de vitória. Ajudai-nos a abraçá-la com amor para que possamos vislumbrar o brilho da vossa ressurreição. Vós que viveis e reinais para sempre.

T – Amém.

(Liturgia Diária nr 243, Março de 2012)

 

Canto: Tão sublime Sacramento

 

Benção com o Santíssimo

 

 

 

 

 

 

31